7 comidas com origens bem diferentes do que todo mundo pensa

.
admin admin em 16/12/2014


Há comidas que nós simplesmente não conseguimos desassociar do país de origem, como, por exemplo, a feijoada e o Brasil, ou o sushi e o Japão. Há também aqueles pratos famosos em um lugar, mas que sabemos ser originários de outro, como o hamburguer, usualmente ligado aos EUA, mas que surgiu na região de Hamburgo, na Alemanha.

O que trazemos a seguir não se encaixa em nenhuma das duas categorias. São comidas que todos acreditávamos ser de um lugar, quando na verdade suas raízes são completamente diferentes. E não, não vamos falar de vegetais.

1 – Churros! Churros quentinhos!

Não se sabe ao certo se foram os espanhóis, portugueses ou chineses que inventaram os churros, mas certamente não foram os mexicanos!

Algumas teorias afirmam que pastores de ovelhas espanhóis inventaram o doce quando perceberam que era fácil fritar massa em panelas postas diretamente sobre o fogo, e o nome veio de churra, que era uma raça de ovelhas originária da região ibérica.

Ou podem ter sido os marinheiros portugueses na época das grandes navegações que, ao retornarem da China, trouxeram de lá uma espécie de pastel de flango que rapidamente se tornou popular em Portugal. Quando a receita chegou à Espanha, eles a modificaram um bocado e a nova versão começou a se popularizar também nas colônias hispânicas, em especial o México.

2 – O catchup veio da China…

A palavra “ketchup”, cunhada há mais de 500 anos na província chinesa de Fujian, significava molho de peixe. E não tinha tomate nenhum!

Era na verdade um condimento feito a partir de anchovas salgadas e fermentadas, que os chineses levaram então para o sudeste asiático, e de lá o tal molho chegou ao solo americano. Só então os tomates entraram na receita, então pelo menos isso pode ser creditado aos EUA.

3 – … mas os biscoitos da sorte não!

Na verdade, foi dos japoneses a ideia de se colocar tirinhas de papel com previsões de boa ou má fortuna dentro de biscoitos, décadas atrás. Existe uma pequena fábrica familiar próxima a Quioto que os produz há 3 gerações, por exemplo.

E o mais curioso disso é que, segundo uma reportagem da ABC News, muitos chineses sequer conhecem os tais biscoitos.

4 – E o croissant não é francês…

Essa famosa massa folhada foi criada na Áustria, por volta do século 17. Pulamos então para o século 18, quando a rainha Maria Antonieta, que era de Viena, trouxe a iguaria para a França. Novo salto para o século 20, quando a culinária francesa ganha fama mundial e o croissant vira uma febre em todo lugar.

 5 – … assim como a torta de maçã não é americana

Cabe aos britânicos a invenção da sobremesa, já que a torta de maçã é primeiramente citada no poema Menaphon, de Robert E. Greene, publicado em 1589. O verso em questão é: “Vosso hálito é como o aroma das tortas de maçã”. E, em um livro de culinária inglês de 1675, aparece também a primeira receita de uma torta de abóbora.

6 – A macarronada com almôndegas só é meio-italiana

Mesmo que talvez não seja tão popular aqui no Brasil quanto em outras partes do mundo, esse prato é bem famoso na culinária italiana, certo? Sim e não.

É claro que na Itália eles comem macarronada, assim como almôndegas (que lá se chamam polpette di carne), mas a ideia de juntar essas duas coisas em um prato com molho de tomate só surgiu com os imigrantes italianos que residiam nos Estados Unidos no fim do século 19/início do século 20.

 7 – Já a lasanha, de italiana, não tem nada

Adicione massa, recheio, molho, repita. Quem acha que a mundialmente famosa receita dessa iguaria tem origem na Itália, provavelmente nunca leu Fôrma de Cury, livro de culinária escrito no século 14 pelo cozinheiro do rei Ricardo II da Inglaterra. Tudo bem, nós também não lemos, mas há relatos de versões ainda mais antigas, situando a lasanha na Grécia Antiga. Dá pra acreditar?

E havia uma grande diferença entre essas versões e a que temos hoje: o molho de tomate. O fruto só chegou à Europa depois que a expedição de Colombo, que descobriu as Américas em 1492, retornou ao Velho Continente.

 

Comentários